Da Vida à Morte, Para Além Dela, e de Regresso à Vida

2021-07-01

Da Vida à Morte, Para Além Dela, e de Regresso à Vida

O Dr. Thomas Fleischmann é um médico que trabalha no serviço de urgências desde 1982 acumulando cargos de direção nos serviços de urgências na Alemanha e Suíça, desde 2005, para além de ser membro da British College of Emergency Medicine e da European Society for Emergency Medicine. Para além dos livros que já publicou tem desenvolvidos e diversos estudos e artigos científicos sobre o tema.

Ao longo da sua vasta carreira assistiu mais de 2000 casos de pessoas que morreram, mas foram trazidas novamente à vida, testemunhando os relatos das experiências de quase morte que vivenciaram.

Dr. Fleischmann defende que existem muitas doenças e diversas lesões, mas todas elas se vão enquadrar numa de quatro maneiras diferentes de morrer, sendo elas:

  1. Morte repentina;
  2. Doenças terminais galopantes;
  3. Doenças que requerem tratamentos com melhorias visíveis mas sem recuperação do estado de saúde inicial, entrando num ciclo de recuperação e recaídas até ao desfecho da morte;
  4. Estados prolongados de doença, com atividade vital muito reduzida, em que as pessoas manifestam uma degradação lenta, mas contínua até ao derradeiro desfecho da morte.

Atualmente, a grande maioria das pessoas enquadra-se no 3.º grupo antes de morrer, estando a aumentar o número de casos inerentes ao 4.º grupo.

Muitos gostariam de se enquadrar no 1.º grupo, mas o estudo(*) revela que nem 10% da população se enquadra no mesmo, aumentando a clivagem entre a forma como se gostaria de morrer e forma como eventualmente a mesma irá acontecer.

Todos têm diferenças de idade, género, personalidade e possuem vidas completamente distintas, mas prevalece um aspeto em comum: Todos nós vamos morrer!

Será que conseguimos imaginar o que é que nos acontecerá e as experiências que viveremos depois da nossa morte?

O Dr. Fleischmann diz que sim! Podemos ver o que existe, com base nos testemunhos das pessoas que foram reanimadas e trazidas de volta à vida.

20% dos relatos provém de pessoas de países Ocidentais e mais de 30% de pessoas de países Orientais, e as informações relatadas foram chamadas de experiências de quase morte.

Esses relatos ocorreram um pouco por todo o mundo e revelaram semelhanças impressionantes, apresentando um padrão comum:

O Dr. Fleischmann refere que a primeira fase de experiência de quase morte revela que se verifica uma mudança repentina e que toda a dor, ansiedade, medo e barulhos desaparecem, permanecendo apenas paz, calma e tranquilidade. Alguns mencionam alegria, e outros relatam terem recebido o insight: “Isto é o que nós chamamos morte”.

O segundo estágio de experiências de quase morte corresponde novamente à existência de uma mudança repentina, e as pessoas relatam que ficam a flutuar, por cima do corpo, vendo o seu corpo deitado, e a equipa médica a reunir todos os esforços para a reanimar. Conseguem ver de cima, e ouvir tudo o que está e ser feito e dito, e a personalidade mantém-se, apesar de terem deixado o seu corpo. É chamada a experiência fora do corpo.

O Dr. Fleischmann confessa não possuir explicação para estas experiências, porque as pessoas quando regressam conseguem relatar tudo o que aconteceu, e não existe qualquer atividade cerebral. Diz não existir uma explicação científica para estas experiências, mas o fenómeno existe.

Na terceira fase, é novamente relatada uma mudança súbita e descrevem um buraco negro, num espaço apertado. 89% a 90% das pessoas que relatam esta experiência diz que, apesar de ser um buraco escuro e apertado, é confortável, agradável, quente e macio. Apenas 1% a 2% descreve que é assustador e que existem barulhos, cheiro e criaturas terríveis.

As pessoas que tiveram experiência de quase morte na quarta fase relatam que, ao fundo do buraco negro, se começa a formar um túnel, vendo uma luz brilhante ao fundo, quente e atrativa, a ponto de começarem a voar nessa direção.

Apenas 10% dos que tiveram uma experiência de quase morte no quinto estágio, relataram uma mudança repentina, com lindas cores, música, e um sentimento de amor incondicional.

Alguns, neste estado, obtiveram flashes do percurso da sua vida. Outros também descreveram que se encontraram com familiares que já tinham morrido e que os foram receber. Alguns mencionaram existir um Ser totalmente feito de Luz a jorrar amor incondicional, e que estavam muito contentes por estarem naquele lugar.

Contudo, e chegado a esse ponto, alguns decidiram voltar à vida, porque sentiam que ainda havia uma tarefa a cumprir, que ainda não tinha sido realizada, e outros relataram que um dos familiares ou o Ser brilhante lhes disse para regressarem pois ainda existia algo a ser feito em vida.

O Dr. Fleischmann também mencionou que depois das experiências de quase morte, as pessoas revelaram mudanças de personalidade, tendo-se tornado mais empáticas, sensíveis às necessidades sociais, mais espirituais e perderam por completo o medo da morte.

Fontes:

Voltar